Portal do Litoral PB
Publicado em: 28 fev 2020

João Azevêdo autoriza execução do Projeto Agrovila Águas de Acauã, beneficiando mais de 100 famílias

Foto: José Marques

O governador João Azevêdo autorizou, nesta sexta-feira (28), durante reunião com o Movimento de Atingidos por Barragem (MAB), na Granja Santana, em João Pessoa, o início do processo para a execução do Projeto Agrovila Águas de Acauã, beneficiando 100 famílias cuja comunidade onde viviam foi inundada pelo Rio Paraíba após a conclusão da Barragem Acauã. O projeto foi apresentado no ano passado às famílias, que concordaram com as propostas de ações.

Entre as ações iniciais para o início da execução do projeto está o decreto de desapropriação da área e a compra do terreno pelo Governo do Estado, para que toda a infraestrutura seja montada: construção de casas, perfuração de poços, abastecimento de água individualizado, entre outros benefícios. 

Durante a reunião, João Azevêdo ressaltou a importância do Projeto Agrovila Águas de Acauã para a qualidade de vida das famílias. “Com a aprovação da comunidade, agora temos condições de tocar o projeto, tomando as medidas práticas iniciais: adquirir a área, trabalhar a questão da habitação, buscar fontes de recursos. Fico muito feliz, porque foi uma alternativa apresentada à comunidade, com a qual ela concordou. Não foi nenhuma imposição”, afirmou. 

Ao todo, 100 famílias serão beneficiadas com o Projeto Agrovila Águas de Acauã. Atualmente, as famílias vivem na Comunidade Costa, localizada no município de Natuba, em condições precárias, de vulnerabilidade social, como fizeram questão de ressaltar durante a reunião com o governador João Azevêdo na manhã desta sexta-feira. 

Para o secretário de Estado do Desenvolvimento Humano, Tibério Limeira, o anúncio pelo governador João Azevêdo do início da execução do Projeto Agrovila Águas de Acauã, além de proporcionar condições dignas às famílias, é um dia histórico para a Paraíba. “A decisão do governador sobre a aquisição da área é uma reparação histórica de 17 anos de luta do Movimento de Atingidos por Barragem, que foram expulsos com a chegada da Barragem de Acauã, tendo seus direitos violados”, disse, destacando que, à época, a Paraíba ocupou o primeiro lugar nacional em violação de direitos por construção de barragem. 

Por sua vez, o secretário de Estado da Agricultura Familiar e do Desenvolvimento do Semiárido, Luiz Couto, ressaltou que o Agrovila Águas de Acauã dará as condições para que as famílias voltem a produzir. “Teremos um lugar onde os moradores da Comunidade Costa possam produzir, possam viver com dignidade, enfim, ter dignidade, qualidade de vida”, comentou. 

O procurador do Ministério Público Federal, José Godoy, externou a satisfação pelo início do Projeto Agrovila Águas de Acauã. “Agradecer ao governador João Azevêdo pela sensibilidade em oferecer dignidade a essas famílias com esse projeto. Me sinto muito feliz, já que acompanhei todo esse processo. É um momento histórico”, disse. 

Participaram ainda da reunião o secretário da Infraestrutura, dos Recursos Hídricos e Meio Ambiente, Deusdete Queiroga; o presidente da Empresa Paraibana de Pesquisa, Extensão Rural e Regularização Fundiária (Empaer), Nivaldo Magalhães; a presidente da Companhia Estadual de Habitação Popular (Cehap), Emília Correia Lima, além de representantes das famílias beneficiadas com o projeto. 

Mais dignidade – Após terem a vida modificada com a obrigação de deixar suas casas por conta da inundação causada pela Barragem de Acauã, as famílias passaram a viver em condições precárias. Deixaram de produzir e passaram a viver de programas de transferência de renda.

O coordenador do Movimento Atingidos por Barragem (MAB), Osvaldo Bernardo da Silva, comemorou a autorização pelo governador João Azevêdo para o início de execução do projeto. “Para todos nós é um dia muito importante, um dia histórico. Por que um dia histórico? Porque são 17 anos para o reassentamento. Esse dia ganha ainda mais importância quando sabemos que os movimentos sociais não conseguem avançar com a sua pauta no Brasil, inclusive a reforma agrária parou”, comentou. 

A agricultora Albertina Nobre foi uma das atingidas pela inundação das águas do Rio Paraíba após a construção da Barragem de Acauã. “A minha vida e a vida da minha família mudou completamente. Antes, a gente criava animais, tinha água para plantar. Por isso, não apenas eu, mas todos os que estão aqui estamos muito felizes com essa notícia”, finalizou. 




Acompanhe as notícias do Portal do Litoral PB pelas redes sociais: Facebook e Twitter

O que achou? Comente...